3.1.12

As dores de um silêncio!


Eu preciso aprender a falar dos meus sentimentos. Falar, eu digo F-A-L-A-R. Não só escrever. Mexer os lábios, tremer a voz, gaguejar, essas coisas que fazemos quando falamos. Como é que faz isso? Feliz época aquela em que eu conseguia falar o que eu sinto sem medo, feliz época.  Porém, as coisas mudaram tanto que eu perdi o jeito da coisa, ou melhor, a vontade. Agora eu fico remoendo tudo aqui dentro, massacrando e me esfolando porque eu sou fraca. Quem falou que eu era forte? Mentira! Eu só sou forte porque eu não falo dos meus sentimentos abertamente.  Eu não falo porque eu não quero que me vejam chorando. Eu guardo pra não chorar.  Eu queria que as minhas palavras não fossem tão fortes que ao serem derramadas da minha boca, cortam como lâmina. Explica o porquê eu surro as emoções? Eu sou cruel demais.   

Todos os dias, eu morro a cada pôr - do -sol e recussito a cada amanhecer e eu estou morrendo, nesse exato momento. Todo esse meu sentir está me matando por dentro, me corroendo, me devorando.  Meu coração não pulsa, ele dilacera. Tô sufocada! P-o-o-o-o-o-r  f-a-v-o-o-o-o-r, alguém arranca isso de mim? Eu queria poder me virar do avesso pra concertar esses sentimentos contorcidos. Triste.  Ser assim é extremamente triste. Eu sou pequena demais pra carregar tanto sentimento. Isso não cabe em mim, não tenho espaço pra tanta intensidade. Não existe silêncio tão barulhento e tão esparafatoso quando o meu. Se dói não compartilhar meus pesadelos, imagina compartilhá-los? A dor é muito maior. O que ninguém vê é as dores de um silêncio. 

Eu admiro aqueles que dizem o que querem, doa a quem doer. Enquanto eu, tenho que enfiar o dedo na garganta pra vomitar isso aqui, mas definitivamente, meus sentimentos estão tão atordoados que vomitar no papel ou na página em branca do Word não me serve e não me acalma. Não tira de mim esse desespero de querer falar. Estou começando uma explosão e a minha combustão é tão avassaladora que queima o mundo inteiro. Será que ainda não perceberam que se eu faço tanto silêncio é porque eu tenho medo de encarar a vida de frente? Eu sou uma medrosa, assumo. Se alguém destrói todo o meu ser, a única coisa que eu ofereço é o meu silêncio. Fica com o meu silêncio.  É nesse silêncio que eu carrego as dores, que ninguém vê. Metade de mim é silêncio, a outra metade também. Porém, de silêncio essas duas metades não tem nada. O que tem é um coração surrado cheio de sentimentos massacrados. 

Anna Carolina Morato.

Um comentário:

Nívea Flor disse...

Sofremos pelo mesmo, minha querida.
Abstenho-me de palavras quando três músicas falam por mim, agora, acredito que por nós...

"Cada voz que canta o amor/ não diz tudo o que quer dizer/ Tudo o que cala/ fala mais alto ao coração/ Silenciosamente/ Eu te falo com paixão/ Eu te amo calado/ como quem ouve uma sinfonia/ de silêncios e de luz/ Nós somos medo e desejo,/ somos feitos de silêncio e som/ Tem certas coisas que eu não sei dizer"

"Je ne sais pas dire je t'aime/ Eu não sei dizer te amo/ Yo no se hablar/ Pero yo no se hablar te amo, te amo, te amo/ But i don´t know how to say i love you/ How to say i love you"

"Vou te contar, os olhos já não podem ver coisas que só o coração pode entender/ Fundamental é mesmo o amor./ É impossível ser feliz sozinho/ O resto é mar, é tudo que não sei contar/ São coisas lindas que eu tenho pra te dar/ Vem de mansinho à brisa e me diz:/ é impossível ser feliz sozinho/ Da primeira vez era a cidade,/da segunda o cais e a eternidade/ Agora eu já sei da onda que se ergueu no mar e das estrelas que esquecemos de contar/ O amor se deixa surpreender/ enquanto a noite vem nos envolver"