18.6.11

.


Agora eu sou um vento só, a escuridão
Eu virei pó, fotografia, sou lembrança do passado
Agora sou a prova viva de que nada nessa vida
É pra sempre até que prove o contrário.

7.6.11

Mulher: Inconstante!

Sensual; Moleca; Séria; Cheia de Raiva.
Eu sinto tanto. . . Embora os meus sentimentos sejam todos indefinidos, muito mal – resolvidos. Incompletos. Uma confusão que só! Dúvidas, muitas dúvidas. Mas, de uma coisa sou certa, quando  bato o pé, não há criatura nesse mundo que me faça recuar. Confesso! Sinto lástima daqueles que convivem comigo. Não que eu seja lá uma pessoa ruim de conviver, é só o meu gênio reforçado, à moda ferina. Complicada. Dura na queda. Bem o tipinho de uma virginiana, crítica. Troco meu status emocional igual troco de roupa sim, e daí? Isso não significa que eu seja portadora de bipolaridade – porque eu não sou - ou que eu sofra de uma crise de TPM aguda. Não é bem assim. Só estou me referindo à instabilidade feminina. Poxa! Eu sou mulher e digo mais, não ousem tentar descobrir qual é a mágica. Uma mulher nunca – quando eu digo nunca, é nunca – revela os seus truques, queridinhos.


/caderno de rascunhos – (06/06/11)