28.7.13

Eu escolhi mudar. Escolhi ser.


A minha vida sofreu uma modificação em todos os aspectos, mas eu ainda estou em um processo árduo de adaptação porque toda mudança tem sua bagunça e também suas perdas. Aos poucos, estou me organizando e não tenho pressa de colocar tudo no lugar até porque, tem certas coisas que possuem vida própria e se ajeitam sozinhas. Além do mais, te garanto que não fui eu quem se perdeu. Já me perdi tanto que me encontrei.  Estou em mim e só agora eu percebo que uma mudança de postura faz todo o sentido, ou quem sabe não seja a porta para a transformação?! Não me arrependo das minhas escolhas, me orgulho delas. Orgulho porque faço por mim. Eu fadiguei de trocar meu eu por outro eu. Por isso todas as minhas escolhas agora são embasadas no que irei sentir e de que maneira tal escolha acrescentará na minha vida. Eu sei que tudo isso soa um tanto egoísta e egocêntrica e admito que penso muito  nessas duas características que eu adicionei a minha personalidade, mas é por amor a quem sou.  É clichê, mas cada eu determina sua ação e nenhum outro eu pode agir no seu lugar seguindo a sua maneira pré-determinada.  

MORATO, Anna Carolina. 

22.7.13

O quase poema que virou música! ♥

Eu sempre reconheci a minha eterna dificuldade para escrever um poema ou poesia e por isso opto pela prosa. Porém, resolvi "tentar" escrever um poema, mas só consegui escrever uma estrofe de quatro versos. Frustrada por ter conseguido escrever só uma estrofe, arquivei-o nos textos não publicados. Um dia, em uma conversa com o Léo Lopes, um amigo músico e compositor, mandei a minha tentativa frustrada de poema  e eis que o verso de quatro estrofes, ganhou verso e melodia. A minha frustração transformou-se em felicidade no momento em que ouvi a canção. A arte chama a arte, e aqui está a prova: 



POR TE AMAR
(Léo Lopes/ Anna Morato)

Acho que meu coração explodiu em mim
E minha explosão só eu ouvi
Os destroços em que me transformei só eu sei
O que restou foram cinzas que pairam no ar
Por te amar, por te amar

Porque te amei
Me entreguei por inteiro a você
Fiz o que não deveria fazer
Eu me entreguei demais, mas não mais
Mas não mais
Porque te amei, 
Eu calei a voz da razão
Enquanto ela me dizia que não
Eu me entregava demais
Mas não mais
Mas não mais
Não mais

A estrofe de quatro versos, seria apenas uma estrofe se  não tivesse mostrado - o pra alguém. Léo, agradeço e parabenizo-o por seu  magnifico dom de transformar coisas pequenas em grandes. 
E aos leitores, futuramente terá outra música composta por nós. É como eu disse, a arte chama a arte. ♥

Anna Carolina Morato.