23.10.12

Surta mais, Morato!


Tá faltando amor, porra! Tá faltando o meu amor, entende? Minha auto-estima está mais baixa que a temperatura do Alaska. Imagina na semana melancólica do mês? Estou nela, só para constar. Eu estou sangrando, sangrando, s a n g r a n d o . Minha barriga dói e eu quero chocolate. Eu quero chorar.  É o fim do mundo. É insuportável. É torturante. São nesses dias terrivelmente chatos que eu  sinto a falta que alguém legal faz. Olha, eu tô carente. Eu tô insegura. Eu tô confusa. Eu não sei  o que eu quero da minha vida. Eu não sei que curso cursar. Eu não sei de nada, simplesmente. Na verdade... eu sei sim,  sei que eu tenho que tomar vergonha na cara, mas agora eu não sei nada porque eu quero fingir que eu não sei. Eu só tô perdida e irritada e me sentindo sozinha e desejando loucamente uma cachorra, mas sem condições  adotar outro bebê porque  a Maggie morreu de "parvovirose" e faz só dois meses. E não era nem para eu estar aqui, era para eu estar estudando. É, resolvi estudar finalmente. E não era nem para eu ativar o facebook, mas a vontade de conversar com alguém foi maior e a porcaria do meu celular cortou ontem porque eu não paguei a fatura que venceu no dia quinze. E esse texto é a coisa das coisas mais ridícula que eu já escrevi e nada disso faz sentido, mas eu preciso por pra fora. Eu não aguento maiiiiiiiiiiiiiiiiiiiis essa panela de pressão dentro de mim assobiando toda hora.  Eu vivo em um campo minado e é difícil viver assim, prestes a explodir. É difícil viver sempre com o coração saindo pela boca, com a mente gritando o tempo inteiro. Sempre com o sangue fervilhando. Mais quente que uma fornalha. Eu não tenho paz, minha vida tá louca e eu tô mais louca ainda. Eu fico com receio de escrever poque fico pensando no que os outros vão pensar, não sei porque céus comecei a agir dessa forma. Porque?  Me importar com o que estão pensando ou deixando de pensar. E o que eu tenho a ver com isso? Ninguém paga minhas contas e ninguém vai na sorveteria comprar o meu sorvete de ninho trufado quando estou com vontade, muito menos me comprar sushi. Porque é que eu estou me preocupando com vocês mesmo? Dane-se vocês se pensarem que eu sou uma descompensada da vida, porque eu sou mesmo. Dane-se vocês se acharem que eu sou fútil e superficial, porque eu sou isso também. E sou muito mais coisas, porque defeito em mim, meu bem... tem pra dar e vender. Quer comprar algum? Posso parcelar pra você, em 20x sem juros. Eu preciso ser mais eu. Louca, neurótica, torta, que seja. Eu só preciso ser eu e aceitar. É difícil completar dezoito anos, até que me avisaram, mas a gente só acredita quando sente na pele. Que chatice tudo isso. Como eu faço pra voltar pro útero? Eu quero o útero da mamãe, poxa vida. Não tem como, né? É, eu sei.. Deixa pra lá a história do útero, eu não queria mesmo. É só a vida que tem sido meio trabalhosa de se viver. Respirando... Respirando... Não vou contar até dez porque eu não consigo. Postura. Postura. Estabilizando os ânimos... Chega de baixaria, vou colocar o salto. O mais alto, de preferência.

Anna Carolina Morato. 

1.10.12

...


Eu não mudo mesmo. Impressionante. Anta baleada. Jumenta desenfreada. Parece que não sei viu. Eu carrego uma panela de pressão e em vez de fazer alguma coisa pra amenizar a pressão, eu pioro ainda mais a situação. Custa conversar com alguém? Custa escrever? Não custa, mas eu trato meus sentimentos com tanto descaso que se está doendo ou não, tô nem aí.  Sinto falta de conversar com alguém por horas e horas e horas, mas penso que as pessoas estão ocupadas demais pra ouvir e eu, ocupada demais para escrever.  Então, vou levando... Fervendo  a panela até ela explodir, pra variar, com pessoas erradas. A pessoa não tem nada a ver com o que eu estou sentindo e eu lá estou, toda descompensada da vida, surtando por motivos fúteis. Desnecessário. Extremamente desnecessário. Olha, sinceramente, me envergonho das minhas atitudes às vezes. Sou tão madura, mas ao mesmo tempo tão imatura. Tão idiota. Depois fico me culpando e me desculpando pela minha impulsividade como se fosse mudar alguma coisa. Eu sei, não muda. Quem tem que mudar sou eu, quem tem que crescer sou eu.  E eu sei que está tudo mudando porque eu perdi o controle mais uma vez. Eu estou desesperada, entende? Histérica. Não ter o controle da minha vida e ver tudo de cabeça pra baixo me deixa looooooooooouca! É como se.. como se.. como se... Ah! Eu não sei esperar. Eu não sei deixar acontecer. Eu não sei me acalmar.   Eu não sei respirar fundo. Sou ansiosa demais e ver a vida sambando da minha cara me deixa extremamente irritada. Eu não entendo o sentido de muita coisa e eu tenho sentido tanto medo do futuro. Vocês não sentem?  É assustador e eu sou medrosa. Por Deus, como eu sou medrosa. Eu me fecho dentro da minha cúpula e quase ninguém me tira daqui. Eu não sei me permitir. Eu fico pensando. Pensando. Pensando. Eu penso muito e faço pouco. Talvez se eu aprendesse a pensar menos. Talvez se eu errasse mais e não me maltratasse tanto pelos meus erros... Mais que droga! Viu só? Mais uma vez o talvez... 

Anna Carolina Morato.