11.3.12

É dor.

É dor. Tudo que eu sinto agora e tá doendo. Muito. Muito. Muito. Estou em meio ao caos, com impulsos de ódio acompanhados de lágrimas. Soa irônico não? Eu não consigo derramar uma lágrima sequer pelos meus problemas, mas quando são os seus.... Eu inundo um estádio de futebol. Estou em prantos, chorando feito bebê.  Não. Não. NÃÃÃÃÃO! Eu não quero ter que te ver assim. Quer me dar teu coração? Dói mais porque eu não posso sentir a sua dor, mas ela é sua. Eu queria que fosse minha, mil vezes minha do que sua. Antes eu, do que você. Eu posso aguentar firme tudo que acontece na minha vida, mas quando é você eu não aguento. Eu desmorono. Eu não suporto isso. Dói. O que eu posso fazer? Eu só quero que você seja forte o suficiente pra enfrentar tudo isso. Nada me atinge tanto a fundo, exceto quando você é o atingido. Eu viro uma fera, viro leoa, viro tigresa, viro tudo o que você imaginar porque você é meu ponto fraco e eu sou capaz de qualquer coisa, por você. Eu tô desesperada porque eu queria ser especialista em coração, assim eu poderia fazer alguma cirurgia no seu. Quem sabe?Nada do que eu disser vai amenizar, nada. Eu não sei o que eu faço, mas talvez, ficar ao seu lado seja alguma coisa. Sangue do meu sangue. O ódio que corre nas tuas veias, corre nas minhas. A dor que corre nas tuas veias, corre nas minhas. As lágrimas que rolas dos teus olhos, rolam dos meus. Me sinto quebrada. É se alguém tivesse pegado a melhor parte do meu coração e tivesse sei lá, pisoteado? Massacrado?  Humilhado? Porque foi isso que fizeram com o seu. Mas estamos juntos nessa. Te dou meu coração pra sua dor não ser tão dolorosa. A última coisa que eu serei capaz de fazer nessa vida, é te abandonar. Isso não. Isso nunca.  
Anna Carolina Morato.

Nenhum comentário: