22.11.11

Antipatia!


Eu sou acostumada a receber mensagens de bom dia, não mensagens com um porre de merdas. Logo pela manhã, já desatei uma discussão infindável. Meu sangue ferveu. Esquece o bom dia. Pra mim o dia morreu na hora que eu li aquela mensagem, cheia de julgamentos. Agora diz pra mim, quem é você pra me julgar? Porra nenhuma. Você não tinha o direito de me falar nada, diz que me conhece, mas não sabe nada da minha vida, nada. Imbecil.
Perdi completamente o fio da meada. Estrago meu dia. Não quis sorrir. Eu não parava de pensar naquelas palavras, me sentindo a pior pessoa do mundo. Ainda me sinto. O problema de você ter o sorriso mais safado de todos, é que quando você não sorri, todos estranham. Todos perguntam: “ O que você tem? Tudo bem com você? O que foi? Porque ta triste?” NADA! NADA! NADA! Não foi absolutamente nada. Só percebem que eu estou com algum problema quando eu não pareço o bozzo? Que legal. Que legal.
Sabe a garotinha doce e simpática que escreve todos os textos com um sorrisinho no rosto? Esquece. Esquece. Hoje ela não existe. Escrevo séria, com os olhos formigando pra chorar. Chorar de raiva. Tristeza. Estava tudo bem, ou pelo menos, eu estava trilhando meu caminho pra ficar bem. Estava sim, bem. Só que sempre aparece um filho da puta e toca na sua ferida. Agora estou aqui, mais azeda que abacaxi verde. Mais amarga que café sem açúcar.
Não quero graça com ninguém também. “Antipatia, você por aqui? Não sou sua amiga, mas pode ficar. Faça- me companhia nesse dia de merda.” Oh diazinho mais filho da puta. Eu não sei conversar quando me sinto assim, a única coisa que me resta é sempre uma página em branco no Word. Porque é mais fácil. Quem é que aguenta uma garotinha com opiniões idiotas e com ideias fúteis? Eu to engolindo cada palavra dita, cada uma.
Oh pequena, não fica assim não. Oh criança, quer que eu fique como? Definitivamente, as pessoas que ficam dizendo o que eu preciso são as que menos sabem do que eu preciso. Você precisa ter mais calma. Você precisa relaxar. Você precisa. Você precisa. FECHA A BOCA! Eu não vou me acalmar, eu não quero relaxaaaaaaar. Me deixa vai!
Eu estou chatiada, encabulada, complexada, machucada, desnorteada. Se tiver mais ADA, bota na conta moço. Moço se tiver aquela poção que faz a gente dormir as próximas 48 horas sem parar, bota na conta também. Ah, não tem? Como não tem? Providência moço, providência. Por favor, por favorzinho. Não dá? Tá moço, tudo bem. Eu fico acordada pra aguentar esse dia dose dupla. 
Novembro, você não tinha um diazinho melhor pra me arranjar não? Puta que pariu. Seus dias estão cada vez piores. Já disse que eu odeio você? Odeio você Novembro, odeio você mês de Novembro. Todo ano é a mesma putaria, chega você e a merda da minha vida torna-se mais merda ainda. É preciso jogo de cintura pra te suportar. Ainda bem, ainda bem que faltam oito dias apenas. Eternos oito dias que nunca passam . . . 
Ontem o dia estava um tédio, hoje está uma merda. Espera só até ver o que o dia vai estar amanhã. Espero que esteja no mínimo, suportável. Oh maré negra, sai de ré. 
Anna Carolina Moratto.

Nenhum comentário: