13.5.12

êêê mããããe! ♥

Se você soubesse o quanto eu te amo... Se eu tivesse poderes mágicos, você seria a primeira pessoa que eu tornaria imortal!
Triste mesmo não são aquelas pessoas que não tem alguém para chamar de mãe. Triste são aquelas que as tem desde o dia em que nasceu e só resolve demonstrar seu amor no dia que é considerado "Dias das mães". Isso sim é triste. 24 horas não é nem 0,5% perto de 8.760 horas. Absolutamente nada. Este dia para eu é como outro qualquer. Embora não seja a melhor pessoa do mundo pra ficar esbanjando eu-te-amo-você-é-muito-importante-na-minha-vida, eu demonstro nas atitudes. Eu demonstro o meu amor quando vou até seu quarto e lhe dou um beijo de boa noite na testa ou quando eu acordo mais cedo e levo uma xícara de café na cama ou quando a respeito ou quando a obedeço ou quando digo seu nome ou quando simplesmente, observo - a dormir.

De que adianta um filho  dizer amar sua mãe, mas só sabe agir com ingratidão e desobediência? É amor deixar a mãe triste e desrespeita-lá? A coisa mais horrível do mundo é ver um filho maltratando suas mães, tratando -a com indiferença, como lixo. E isso, honestamente, me corta o coração porque para pra pensar... Imagina o que é uma mulher carregar um ser  durante nove meses na barriga pra ser maltratada depois. Às vezes, nós filhos, não entendemos nossas mães. Julgamos. Indagamos. Mas só passamos a entende-lá no dia em que o teste de gravidez der positivo. Isto muda  a vida de uma filha - futuramente mãe - completamente e muda a vida de um filho - futuramente pai. O que me entristece mesmo  são filhos ingratos. Que não ergue as mãos pro céu e agradecem pelos pais que tem, seja eles lá bons ou ruins, mas são pais. São mães. Te deu a luz, quer mais o que ainda? Quer esperar chorar do lado de um caixão para lembrar do verdadeiro significado da sua mãe na sua vida? Porque é assim, só dão valor quando perdem embora toda regra tenha sua exceção.

Minha mãe me ensinou a valorizar tudo o que eu tenho e a agradecer também, porque desde criança quando ela me levava pra aula de pintura enquanto rezava um sermão de toda segunda - feira, ela dizia que eu não iria te-lá para o resto da vida e que nada que eu tenho seria para o resto da vida. Que um dia tudo iria acabar e que eu teria que valorizar e cuidar para que dure. Que era preciso cultivar. Plantar e colher. Mamãe ensinou. Ensina todos os dias ainda. Ela não é só a mulher que me colocou no mundo. Ela é muito mais que isso. É minha amiga. Minha irmã. Minha filha. Minha cúmplice. Minha inimiga. Minha Deusa. Minha. Minha. Minha.

O que abala todas as minhas estruturas é quando ela e olha para eu e diz: "Eu aprendi a ser mãe com você, sabia filha? Eu achava que ser mãe era encher você e seu irmão de mimos e te dar tudo do bom e do melhor. Eu trabalhava muito e esqueci de te amar. Achei que você e seu irmão precisava de conforto, de luxo. Não de amor. Eu aprendi a ser mãe com você, por que você sempre foi carinhosa. Me cobrava isso. Eu não tive mãe. Nunca soube o que é ter um amor de mãe e como não tive, eu não sabia dar isso pra você."  Ela não me diz isso uma, duas vezes. Ela me diz sempre que é para eu nunca esquecer. Ser filho é isso. É doar e receber. É ensinar e ser ensinado. É amar e ser amado.

É engraçado quando estamos em algum lugar e perguntam: "Vocês são mãe e filhas mesmo? Estão mais pra duas amigas de colegial." E nós duas caímos na risada, porque é uma comédia. A nossa relação é deliciosa, mas tem suas desavenças. É claro que tem. Não dá pra duas virginianas, de gênio iguais viverem juntas sem se arranhar algumas vezes. Ela faz tudo por mim e eu igualmente. Só que no meio de tantas trocas, sabe o que eu acho mais louvável? É quando ela me chama de filha e quando eu a chamo de mãe. Meu Deus! É a coisa mais linda do mundo. É a prova de amor mais intensa do mundo. Quando eu ligo pra ela e embora esteja ora triste ora brava ora alegre, ela sempre atende com um: "Oi filha!" "Oi mami." E não adianta, amor mesmo é amor de mãe. Ôh coisa mais linda! E esse amor é eterno. Não há quem mate. Não há quem arranque. Ter uma mãe é a benção mais divina que Deus pôde dar a um filho e não tem horas para esse amor. Não tem data certa. Amor de mãe é todo dia. Dia das mães é todo dia também.
Anna Carolina Morato.

3 comentários:

Rafael Castellar das Neves disse...

É isso aí, excelente homenagem!! Elas merecem, e muito mais!

[]s
Rafael
Desce Mais Uma!

Isabela Gonçalves disse...

Perfeito Anna! *-*

Isabela Gonçalves disse...

Perfeito Anna! *-*