5.11.10

Como um anjo.

Paulo Roberto Carvalho.
Anna tem um genio dificílimo embora seja uma garota adorável. Acreditava em todos a sua volta e dizia que todos eles eram importantes em sua vida, mas o que Anna não imaginava é que a maldade morava ao lado. Com muito custo, aprendeu a lidar com as traições, as decepções, as falsidades, as mentiras, enfim... Anna mudou, mudou completamente. Para quem  dizia que sua vida era um livro aberto, hoje nem seus amigos mais próximos sabem direito o que acontece. Se fechou e agora sempre que tenta se abrir com alguém, tem dificuldades. Acostumou-se ao fato de guardar tudo para si. Fala o que é desnecessário, de maneira superficial e rápida. Ela sabe que agindo assim, pode ser pior mas não há outra escolha, ou há? A decisão é sua. Anna vai vivendo, esbanjando sorrisos e conselhos sempre que preciso, chega até se esquecer de si mesma, mas quando se lembra, tenta não explodir de tanto sentimento acumulado. Prefere não conversar, fica presa em seus pensamentos, se isola. Certo dia, Paulo apareceu, sentou ao seu lado e lhe perguntou o que estava acontecendo, ela se negou a dizer, ele continuou perguntando e seus olhos se encheram de lágrimas. Anna sabia que não poderia falar nada, se falasse, choraria. Respirou fundo, segurou seu choro e começou a mexer seus lábios, um tom de voz baixo e triste, mas pouco a pouco as palavras foram aparecendo. Paulo a ouvia atentamente, ela não precisava de conselhos e muito menos sermões, apenas de alguém " pode falar, estou te ouvindo". Era só isso que mais precisava naquela hora, por mais difícil que seja, conseguiu se abrir um pouco e até mesmo falar coisas que nunca contou para ninguém, foi breve mas disse o suficiente para se sentir um pouco aliviada de si mesma :)

" Dedicado ao meu velho e bom amigo, Paulo Roberto S2"

2 comentários:

Brunno Lopez disse...

Foi a melhor coisa que li hoje.
Acho que procurava um texto que fosse disperso e ao mesmo tempo intenso.

Fazia tempo que não vinha...

Juliano disse...

As vezes isso é tudo o que a gente precisa, um ouvido para nos escutar, e uma mão para segurar!

Beijooos!