13.3.13

Sobre a vida.

Escrevo  sobre a luz do luar, namorando as estrelas porque estou desempregada o suficiente para fazer isso, ou de férias, como preferir. Sai do emprego. Presenteie-me com  este mês de descanso. Trabalhei um ano e dois meses sem férias. Meu corpo não só arregoou como chorou por dias de sombra e água fresca. Meu cérebro estava bloqueado. Eu realmente não tinha mais forças, estava ligada no automático.  Preciso dizer que agora estou bem. Descansando ao máximo e aproveitando minha vida de atoa. Senti falta de poder ficar em casa. Estou dando um tempo até a loucura começar.

Em Abril, começa a minha vida de universitária. Aprovada em Letras, na UFMS.  Várias pessoas me questionam e me criticam. “Porquê não faz Jornalismo logo?” “Af, o que você vai fazer em Letras?” “ Não tinha um curso melhor pra você escolher não?” “Não tá perdendo tempo  fazendo um Letras ao invés de Jornalismo?” “Vixi, vai ser professora.” Falam como se tivessem conhecimento de causa. Nem sabem dos meus planos, mas tem que palpitar.  Irrita-me a linha de pensamento de algumas pessoas e a mente fechada que carregam dentro de si, mas tudo bem. A questão é que cada um sabe o que faz da sua vida e as consequências de certas escolhas, são minhas. Não suas! Conhecimento nunca é demais. Enfim, uma nova fase da minha vida começará. Estou ansiosa e com medo também. Sofro por antecipação, fico pensando se irei dar conta ou não, mas eu sei que as respostas para essas perguntas estarão na minha dedicação e nos meus esforços. Estarei em uma área que eu amo. A língua portuguesa me fascina. O poder das palavras e a forma como se encaixam. Deus meu, é incrível.

Agora saindo da minha vida pessoal-profissional e entrando na zona amorosa, preciso dizer que pra uma guria que se apaixona 366 dias em um ano, até que estou tranquila, embora sinta falta de ter alguém. Ás vezes fico encantada, mas depois passa. Tudo é tão passageiro e me confundo tanto quando se trata de sentimento. Admito que tenho quedas, cascalheiras por alguns meninos, mas sou lerda  o bastante pra não conseguir ser louca o suficiente pra dizer algo ousado como: "Quero te beijar, seu lindo!" Vontade eu tenho, mas se me falta coragem o jeito é ficar na minha. Por mais que eu seja tão timida, estou feliz assim. Sozinha e com o coração desocupado também. Parece que a gente se ama mais quando não precisa dividir o amor porque doar o coração pra alguém, é esquecer de si mesma às vezes. Porém, por não ter ninguém... Estou lembrando muito de quem eu sou e além do mais, é ótimo dar um tempo na mente. Gostar de alguém dá muita dor de cabeça. Que que isso! Ainda bem que por eu ser tão sozinha, eu sei lidar com a minha solidão numa boa. Nossa! Que coisa mais triste de se escrever, mas é a realidade. 

 Queria ter conseguido fazer o gancho de um paragrafo no outro, mas não sei como terminar esse texto. Não queria que ficasse sem sentido, embora já esteja. Acredito que se eu for detalhar tudo, esse texto não terá fim. Porém, chega de blábláblá, porque eu não sei se eu escrevo ou se eu olho pro céu. As estrelas estão roubando minha atenção. O céu a noite é sempre tão lindo. Continuarei namorando as estrelas e o final desse texto que se exploda. Ninguém se importa, não é? Só escrevi mesmo pra dizer que sou uma atoa que está contente com a breve vida de universitária, vivendo uma vida amorosa mais parada que poça d'água, porém feliz. Não há dinheiro no mundo que compre a minha a paz de espirito. Nem ladrão que roube aquela sensação deliciosa de ter um pouquinho de sossego nessa vida. 

Anna Carolina Morato.

Um comentário:

Brunno Lopez disse...

Nada melhor que a sensação de plenitude. Você certamente está a poucos passos de um grande acontecimento.

Agora, eu tenho certeza que as estrelas vão continuar querendo um relacionamento com você, mesmo quando seu corpo ir pra outra direção.

Boas escolhas, srta!